Quer finalmente ter um bebê em 2012?

Publicado 4 de dezembro de 2011 por Marcelo Alexandre. Atualizado 22:30.

Ano novo, vida nova. Ter um bebê é um dos desejos mais recorrentes para o ano que se inicia – principalmente entre os casais que não têm filhos. Mas 10% das pessoas em idade reprodutiva enfrentam a questão da infertilidade – o que pode gerar algum desgaste emocional e insatisfação para quem simplesmente aceita os fatos e não busca reverter essa situação adversa. As causas são atribuídas igualmente a homens e mulheres (40% cada), sendo que 20% se devem a outros fatores, incluindo a incompatibilidade do casal.
A cada mês, a chance de um casal gerar um bebê é de 20%. Essa taxa despenca para 8% depois dos 40 anos. É aconselhável, então, que o casal que está tentando engravidar há um ano sem sucesso procure ajuda o quanto antes, a fim de não comprometer as chances de sucesso, diz Edson Borges, especialista em Reprodução Humana e diretor científico do Fertility – Centro de Fertilização Assistida , em São Paulo.
Borges revela DEZ dicas para casais que desejam muito gerar um bebê em 2012:

1. Reconheçam o problema

Quando o casal faz sexo sem proteção, por mais de um ano, nos períodos férteis da mulher e não obtém sucesso é preciso reconhecer que pode haver algo errado. Não adianta ficar estressado, triste, e empurrar o problema com a barriga. Vale a pena buscar ajuda especializada o quanto antes, porque, inclusive, pode ser algo de fácil solução.

2. Comportem-se como um time.

Por mais que familiares e amigos comecem a especular qual dos dois pode ser infértil, não dê ouvidos. Mantenham o espírito de time, se unindo ainda mais para um propósito comum. É fundamental, para o sucesso de qualquer tratamento, quando a mulher cuida do emocional do marido e vice-versa, blindando os aborrecimentos que vêm de fora.

3. Busquem ajuda especializada.

Procurar um bom médico, fazer todos os exames e consultas necessárias para obter um diagnóstico acertado é um passo muito importante. Além disso, quem tem diabetes ou problemas de tireoide devem contar com acompanhamento permanente.

4. Decidam juntos por quanto tempo estão dispostos a tentar e o quanto podem investir

Tem gente que se abala demais numa primeira tentativa sem sucesso e outros que empenham muitos anos e todas as economias até realizar o sonho de ter um bebê. É fundamental, então, que o casal estabeleça uma relação de muita franqueza com seu médico para que, juntos, estabeleçam por quanto tempo estão dispostos a fazer um tratamento de fertilização assistida. Tais definições costumam amainar em parte a ansiedade.

5. Controlem o peso.

Mais de 10% dos casos de infertilidade são atribuídos ao excesso ou à falta de peso. O sobrepeso e, mais ainda, a obesidade tanto podem surtir efeito nos ovários, onde os óvulos são produzidos, como no endométrio, onde são depositados os óvulos fertilizados. Mais: o excesso de peso favorece o surgimento de diabetes gestacional ou mesmo de hipertensão. Com relação aos homens, vários estudos comprovam que aqueles que estão acima do peso têm espermas de pior qualidade – problema que se agrava quando a pessoa tem mais de 40 anos.

6. Cuidem mais da alimentação.

O déficit nutricional representa um importante fator na maioria dos problemas associados à infertilidade. Como a grande decisão do casal é de ter um bebê, vale a pena abolir toda gordura trans da alimentação e evitar alimentos ricos em colesterol, amido e açúcar. Evitem também a cafeína em excesso, porque ela aumenta o risco de abortamento. Já é possível afirmar que seguir uma dieta personalizada, elaborada de acordo com o perfil da paciente, pode aumentar em duas vezes as chances de ter uma gravidez bem-sucedida.

7. Comecem a praticar esportes, de preferência juntos.

Combater o sedentarismo é uma das grandes decisões de quem não pratica atividade física alguma, já que se sentirá muito melhor em termos emocionais e físicos ao começar a praticar um esporte. Claro que cada um dos parceiros deve manter seus interesses individuais, mas caminhar juntos no parque, por exemplo, pode ser uma boa atividade para que um motive o outro a levantar cedo e se mexer. Só não devem exagerar na dose.

8. Recusem bebidas alcoólicas, cigarros e drogas.

A dica é adotar tolerância zero com relação ao consumo de álcool – e, consequentemente, de cigarros e drogas. Todos esses vícios diminuem consideravelmente as chances de gerar um bebê – além de prejudicar a saúde, claro.

9. Pratiquem sexo seguro, sempre.

Homens e mulheres que se previnem usando preservativos desde o início da atividade sexual não correm risco de enfrentar todos os desdobramentos das doenças sexualmente transmissíveis (DST). A clamídia, entre as meninas, e a gonorréia, entre os meninos, são as doenças que mais afetam a fertilidade na fase adulta.

10. Procurem se livrar do estresse encarando a realidade com esperança.

Cerca de um terço dos casais que recorrem à ajuda especializada para tratamento de infertilidade podem não ter um filho biológico do pai e da mãe. Manter os pés no chão, mas a esperança em alta, é importante para fazer escolhas inteligentes. Nesse sentido, recorrer a terapias alternativas para cuidar do emocional – seja acupuntura, psicodrama, massagens terapêutica etc. – é bastante indicado. Hoje em dia, inclusive, há vários tipos de terapia incorporados aos tratamentos de fertilização in vitro.
Fonte: Prof. Dr. Edson Borges, especialista em Reprodução Humana, doutor em Urologia pela Unifesp, doutor em Ginecologia pela Unesp, e diretor científico do Fertility – Centro de Fertilização Assistida , em São Paulo.

×

Powered by WhatsApp Chat

×